Algum pequeno oásis de fatalidade perdido em um deserto de erros (2016)

Frequentemente os projetos pensados por Leo Caobelli nascem de uma espécie de impulso arquivista: coletar, compilar, reordenar, catalogar. Não por acaso esse mesmo conjunto de procedimentos operatórios constituem também as raízes da pesquisa aqui apresentada. O projeto que pode ser descrito cruamente como uma espécie de “arqueologia de Hard Disks”, acabou apropriando seu nome de uma passagem de William Wilson, conto investigativo de Edgar Allan Poe, no qual o personagem relata: “Desejaria que descobrissem para mim, entre os pormenores que estou a ponto de relatar, algum pequeno oásis de fatalidade, perdido num deserto de erros”. Os diversos desdobramentos da pesquisa, incluindo a projeção Solitaire (2018) no Museu Iberê Camargo e a instalação Access Allowed no Festival Kino Beat (2019) podem ser encontrados em http://leocaobelli.art.br.